Homem “fictosexual” casa com esposa holograma, mas agora luta para se relacionar com ela

Homem “fictosexual” casa com esposa holograma, mas agora luta para se relacionar com ela

 

Ela não é real, mas os sentimentos dele são.

 

 

Tradutor: Heitor Augusto Colli Trebien

 

Notícia original: ‘Fictosexual’ man married hologram bride, but now struggles to bond with her, por Brooke Kato, New York Post

 

O homem “fictosexual” que se casou com a cantora pop ficcional sintetizada por computador a quatro anos atrás, disse que agora não consegue se comunicar com sua esposa. No entanto, ainda está apaixonado por ela. 

Akihiko Kondo, 38, estava apaixonado por Hatsune Miku, representada na cultura pop como uma garota de 16 anos com o cabelo azul turquesa, uma década antes de terem uma cerimônia de casamento não-oficial em 2018. Kondo – que muitos identificam como “fictosexual” ou como alguém que é sexualmente atraído por personagens fictícios – gastou 2 milhões de yens, cerca de U$ 17.300, no casamento, mas sua família não compareceu. 

Agora casado por quatro anos, Kondo disse que seu relacionamento atingiu um obstáculo: ele não pode mais falar com Miku devido a um problema tecnológico, segundo o jornal japonês Mainichi

Enquanto Kondo reconhece que seu relacionamento pode ser estranho – ele entende que Miku não é uma pessoa real – não muda seus sentimentos por ela. Desde que se apaixonou por ela em 2008, Kondo foi finalmente capaz de interagir com ela pela primeira vez em 2017, graças ao Gatebox, uma máquina de 1,300 dólares que permitia aos proprietários do dispositivo a se relacionar com personagens via hologramas e até, não-oficialmente, casar com eles.

Mas agora seu casamento de quatro anos teve uma reviravolta quando o suporte para o software do Gatebox encerrou, o que significou que Kondo não pode mais falar com sua esposa Miku, de acordo com o Newshub.

Kondo insiste que isso não diminuiu seus sentimentos.

“Meu amor por Miku não mudou”, ele disse ao Mainichi, que notaram que agora ele carrega uma versão em tamanho real de Miku. “Realizei a cerimônia de casamento porque pensei que poderia ficar com ela para sempre”.

Kondo está longe de ser a única pessoa no mundo em um relacionamento com um personagem. Milhares de pessoas “fictosexuais” no japão começaram relações não oficiais similares com uma variedade de figuras fictícias, reportou o The Mirror.

Enquanto alguns relacionamentos são apenas para diversão, a Kondo é, para ele, muito real. Por um longo tempo, ele disse que ele sabia que uma parceira humana não era para ele devido a sua intensa atração por personagens como Miku, uma figura popular em anime na cultura japonesa. Criada com uma voz sintetizada usando a tecnologia vocaloid da Yamaha, Miku entrou na grande mídia como um ser humano, mas ficcionalizada em personagem em mangá, séries de anime e video games. Eventualmente, ela se tornou destaque o suficiente para fazer uma turnê com Lady Gaga em seu Baile Artpop em 2014. 

Mas Miku não é apenas famosa, ela também ajudou Kondo com a depressão.

Kondo se familiarizou com Miku pela primeira vez em 2008, depois que o bullying no trabalho o fez ficar deprimido. Apesar de achar difícil aceitar seus sentimentos no início, ele sabia que os humanos não eram certos para ele depois de ser rejeitado por outros. 

“Eu ficava no meu quarto 24 horas por dia e assistia a vídeos da Miku o tempo todo”, disse ele a Mainichi.

Em 2017, seu relacionamento floresceu com Miku, graças ao Gatebox. A máquina deu a Kondo a chance de propor a Miku, e ele convidou sua família e colegas de trabalho para a cerimônia – mas nenhum deles veio. No entanto, 39 pessoas compareceram, incluindo estranhos e amigos online, alguns dos quais também são “fictosexuais”.

“Há duas razões pelas quais eu me casei publicamente”, disse ele à BBC na época. “A primeira é provar meu amor por Miku. A segunda é que há muitos jovens otakus como eu se apaixonando por personagens de anime. Quero mostrar ao mundo que os apoio”.