Mulheres, tecnologia e matemática: a história de Ada Lovelace

Mulheres, tecnologia e matemática: a história de Ada Lovelace

Autor: Heitor Augusto Colli Trebien

 

Retrato de Ada por Margaret Sarah Carpenter (1836), Fonte: site do Wikimedia

Augusta Ada Byron, Lady Byron, também conhecida como Ada King, countess of Lovelace ou ainda Ada Lovelace nasceu em 10 de dezembro de 1815 e faleceu em 27 de novembro de 1852, devido ao câncer de útero, com 36 anos, a mesma idade do pai que nunca conheceu. Filha do famoso poeta Lorde Byron (1788– 1824) e da matemática Anne Isabelle Milbanke, também conhecida como Annabelle Milbanke Byron. 

Depois de dois meses de seu nascimento, Annabelle se separou de Lord Byron, o qual saiu da Bretanha e nunca mais voltou. Foi criada e educada pela mãe que, desde criança, procurou incentivar as habilidades matemáticas para o desenvolvimento da filha. 

Dentre seus tutores, um deles foi Charles Babbage (1791–1871), criador da Máquina Analítica que viria a ser conhecida como a precursora do computador moderno. Em 1833, teve contato com o autor através de uma amiga em comum – Mary Somerville. Em 1843, traduziu um artigo escrito por Luigi Federico Menabrea, engenheiro italiano que descreveu o funcionamento da máquina de Babbage – Notions sur la machine analytique de Charles BabbageElements of Charles Babbage’s Analytical Machine

Incentivada pelo próprio Babbage, adicionou suas considerações matemáticas ao longo do artigo traduzido com anotações detalhadas que descreveram como a máquina analítica poderia ser programada. Além de números, outros símbolos poderiam ser usados para a programação, como música, poesia entre outros.

Ela usou os números de Bernoulli para construir um algoritmo que programasse a máquina para compreender sequências de números racionais. Desse modo, ela uniu programação, matemática e arte e foi reconhecida como a mãe da programação ao propor algumas ideias para esse campo do conhecimento. 

A seguir, uma imagem das notas de Ada Lovelace, que se inicia na nota D e tem continuidade na nota G. As considerações de Ada começam em A e terminam em G se configuram como uma análise precursora da programação:

 

Sistema de programação organizado por Ada (1843)

 

Dentre suas contribuições, ela trouxe o conceito de sub-rotina e o processo conhecido como looping. A sub-rotina é caracterizado, como Martins (2016) comenta, como o processo de disponibilizar uma sequência de instruções que podem ser usadas repetidamente em diferentes situações.

O looping, por sua vez, envolve considerar a importância da repetição através de uma fórmula que permita a máquina repetir determinado processo. Assim, sub-rotina e looping são conceitos interconectados na prática de programação, algo que Ada Lovelace conseguiu demonstrar quando elaborou uma hipótese de programação para a máquina analítica.

Outro tutor foi Augustus De Morgan (1806–1871), o primeiro professor de matemática da Universidade de Londres e cientista que formulou as Leis de De Morgan estudadas até hoje. Excertos das cartas trocadas entre Lovelace e De Morgan podem ser acessadas na íntegra no site CMI: Clay Mathematics Institute, no link a seguir: Ada Lovelace’s Mathematical Papers Os documentos matemáticos de Ada Lovelace. Também podem ser encontrados os artigos científicos que serviram de base para esse texto. 

Watercolor portrait of Ada King, Countess of Lovelace (Ada Lovelace), por Alfred Edward Chalon (cerca de 1840), também disponível no Wikimedia

Em 1835, Ada se casou com William King-Noel (1805–1893), nobre inglês, também cientista, que recebeu o título de Conde Lovelace e portanto Ada se tornou a condessa Lovelace. O primeiro filho do casal nasceu em 1836 e recebeu o nome do avô: Byron. No ano seguinte, a segunda filha recebeu o nome da avó: Anne Isabelle (Annabelle) e o terceiro e último filho recebeu o nome de Ralph Gordon, que também carrega o nome do avô (George Gordon Byron). 

Hollings, Marin e Rice (2017), nos artigos The early mathematical education of Ada Lovelace (A educação matemática precoce de Ada Lovelace) e The Lovelace–De Morgan mathematical correspondence: A critical re-appraisal (A correspondência matemática de Lovelace-De Morgan: uma reavaliação crítica) comentam sobre as polêmicas geradas em torno da figura de Ada: muitos a consideraram uma charlatã, enquanto outros a chamaram de gênio. Outros, disseram que a mãe queria educar a filha na matemática para afastá-la da poesia e da imagem do pai. 

No que se refere à educação matemática, existem poucas evidências que confirmam a ideia de que a mãe queria afastar a filha da poesia ou das tendências paternas. Os autores realçam que a mãe foi reconhecida como uma reformadora educacional que seguia os princípios de Pestalozzi. Seu objetivo era combinar textos com trabalhos físicos e competências práticas. Aprender a pensar era mais interessante do que memorizar o conteúdo, assim, além dos tutores, a própria mãe buscou educar a filha. 

De modo geral, Ada Lovelace mostrava interesse pelas mais diversas disciplinas, como geografia, desenho, música, biologia e matemática. Quando criança (aproximadamente 12 anos), a menina queria estudar a anatomia dos pássaros porque no futuro gostaria de escrever um livro sobre flyology (“voologia”), pois tinha planos de construir uma máquina voadora movida a vapor. Sua infância mostra inventividade poética e interesse pelas ciências, o que no futuro a ajudaria a pensar na ciência poética e enxergar a matemática como uma espécie de arte que descreve padrões na natureza.   

Quanto às habilidades de Ada, quando criança e adolescente, ela expressava ingenuidade e interesse, o que é comum nessa etapa do desenvolvimento. Com a continuidade dos estudos, desenvolveu maturidade e um entendimento mais amplo das relações lógico-matemáticas, o que também acontece no desenvolvimento, de acordo com a exposição a determinado tipo de estudo.

Pintura de Ada sentada ao piano feita por Henry Phillips (1852), disponível no Wikimedia

Hollings, Marin e Rice (2017) indicam que seu potencial não deve ser subestimado e da mesma forma que ela tinha dificuldades, ela também sabia lidar com os problemas e expressava aptidão para diferentes áreas da matemática.

Ada King, durante correspondências e leituras, tanto com Babbage e De Morgan, por ter uma visão aguçada, percebeu erros de cálculos que os autores fizeram e os ajudou a revisá-los. O mesmo acontecia com ela: quando estava equivocada, seus tutores a ajudavam.

O trabalho intelectual de discussão deve ser valorizado e junto com esses grandes nomes da matemática, ela conseguiu desenvolver discussões importantíssimas não só para a matemática, mas para a educação de modo geral. 

Os alunos não são perfeitos e nem os professores, o conhecimento é construído a partir da interação e da experiência construída nessa relação. A aprendizagem continua sendo refinada e no ambiente educacional todos temos a chance de aprender com os equívocos. Os professores da mãe da programação, de modo geral, sempre que puderam a estimularam, o que possibilitou atingir níveis críticos de graduação, mesmo sem nunca ter feito uma. 

Observa-se a importância da atuação de historiadores da matemática na análise de arquivos históricos através dos artigos de Hollings, Marin e Rice (2017), área que deve ser, como qualquer outra do campo científico, valorizada e estimulada, assim como a atuação das mulheres na ciência e nas artes. 

REFERÊNCIAS

 

MATÉRIAS E VÍDEOS

ADA Lovelace. In: WIKIPÉDIA: a enciclopédia livre. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Ada_Lovelace>. Acesso em: 22 dez. 2021. Versão em inglês: <https://en.wikipedia.org/wiki/Ada_Lovelace>. 

BRITANNICA, The Editors of Encyclopaedia. Ada Lovelace. Encyclopedia Britannica, 6 Dec. 2021. Available in: <https://www.britannica.com/biography/Ada-Lovelace>. Accessed 20 December 2021.

GREGERSEN, Erik. Ada Lovelace: The First Computer Programmer. Encyclopedia Britannica. Available in: <https://www.britannica.com/story/ada-lovelace-the-first-computer-programmer>. Accessed 20 December 2021.

MARTINS, Maria do Carmo. Ada Lovelace: a primeira programadora da história. Correio dos Açores, Universidade dos Açores, 28 jul. 2016. Disponível em: <https://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/4025>. Acesso em: 20 dez. 2021. 

PETRY, Guilherme. Conheça Ada Lovelace: matemática do século XIX autora do primeiro programa de computador. The Hack, 2020. Disponível em: <https://thehack.com.br/conheca-ada-lovelace-matematica-do-seculo-xix-autora-do-primeiro-programa-de-computador/>. Acesso em 20 dez. 2021. 

PHILPOT, Zoe. Ada Lovelace: a mulher original em tecnologia. YouTube, TEDx Talks, 26 mai. 2017. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=1QQ3gWmd20s>. Acesso em 20 dez. 2021.

POPOVA, Maria. Como Ada Lovelace, filha de Lord Byron, se tornou a primeira programadora do mundo. Programaria, tradução Krystal Campioni, 10 dez. 2016. Disponível em: <https://www.programaria.org/como-ada-lovelace-filha-de-lord-byron-se-tornou-primeira-programadora-mundo/>. Acesso em: 20 dez. 2016. Texto original: https://www.themarginalian.org/2014/12/10/ada-lovelace-walter-isaacson-innovators. 

 

ARTIGOS CIENTÍFICOS

HOLLINGS, Christopher; MARTIN, Ursula; RICE, Adrian. The early mathematical education of Ada Lovelace. BSHM Bulletin: Journal of the British Society for the History of Mathematics, p. 32:3, n. 221-234, 01 Jun. 2017. Available from: <https://doi.org/10.1080/17498430.2017.1325297>. Accessed 20 December 2021.

HOLLINGS, Christopher; MARTIN, Ursula; RICE, Adrian. The Lovelace–De Morgan mathematical correspondence: A critical re-appraisal. Elsevier, Historia Mathematica, 2017. Available from: <https://doi.org/10.1016/j.hm.2017.04.001>. Accessed 21 December 2021.