Um passo em direção ao OÁSIS: uma miragem

Um passo em direção ao OÁSIS: uma miragem

Este texto é uma tradução livre e não oficial da matéria A Step Toward OASIS: A Mirage, de Sooyoung Choe, traduzida por Sohee Kim (para o inglês) e publicada na revista XR Must em 15 de setembro de 2021

 

Tradução livre para o portugês brasileiro: Heitor Augusto Colli Trebien

 

“Nós queremos uma plataforma como o Oásis.” – Se estiver interessa pela indústria de realidade estendida (RE) com esteve-se em 2020, você pode ter ouvido falar, pelo menos uma vez, nessa citação ou você mesmo já a pode ter dito. Alguma vez um conceito de um romance específico já serviu de inspiração para a indústria desse modo? Não é certo se é a primeira vez, mas é difícil negar que o romance Jogador nº 1 (Ready Player One) é o objetivo da nova indústria de RE. 

O conceito de realidade virtual (RV) já existe a algum tempo, mas esta “tendência” recorrente da RE (do inglês Extended Reality – XR) começou em 2014 quando o Facebook comprou a startup Oculus por 2 bilhões de dólares, fabricante de óculos de realidade virtual (RV). Em 2012, na época em que a Oculus foi fundada e iniciou o financiamento do Kickstarter, o co-fundador de vinte anos da startup Palmer Luckey recomendou avidamente um romance para espalhar a sua visão para o futuro. Esse romance era Jogador nº 1, publicado em 2011, que naturalmente influenciou o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, quando adquiriu a Oculus. Apesar de nunca ter mencionado o Oásis em público, aqueles que leram o romance podem facilmente reconhecer que o seu objetivo é transformar o Facebook em um Oásis, o serviço de realidade virtual do romance. 

Os dois empresários não eram os únicos obcecados pelo Oásis. Como todos aqueles que sonharam com a RE no Vale do Silício estavam fascinados pelo romance, o conceito do Oásis ganhou tração e foi bem recebido pelos investidores. A startup Magic Leap começou a criar a “exibição de projeção da retina” (RPD, na sigla inglesa – retinal projection display) que apareceu no romance e já foi avaliado como um unicórnio com um valor corporativo de mais de US$ 4,5 bilhões, antes mesmo de o produto ser lançado. A Dell nomeou seu primeiro dispositivo de RV de “Visor”, o nome dos óculos no romance. Linden Lab, que uma vez chamou a atenção pública com o serviço social baseado em 3D Second Life, lançou um novo serviço, Sansar, para providenciar uma experiência como o Oásis. O primeiro fundador do Linden Lab, Philip Rosedale, também revelou um serviço de realidade virtual semelhante, chamado High Fidelity.

Quando Steven Spielberg fez um filme baseado no romance em 2018, o conceito do Oásis se popularizou pelo mundo, inclusive na Coreia. Citar cenas do filme era o jeito mais eficaz de apresentar a ideia de RE para investidores e responsáveis políticos não familiarizados com o conceito. Entretanto, isso era tudo. Só era efetivo para fazer as pessoas compreenderem que “se a tecnologia de RE, atualmente em desenvolvimento, for avançada, essas coisas serão possíveis” e “as pessoas talvez usem dispositivos de RE como seus smartphones algum dia”. Nem o filme e nem mesmo os pioneiros da indústria de RE conseguiam dizer quando a mudança aconteceria. 

A antecipação logo transformou-se em desapontamento. Aqueles que experimentaram os dispositivos de RE, reconhecidos por serem os melhores do seu tempo, como o Oculus Quest, o HTC Vive e a Samsung Odyssey descobriram que a tecnologia era bem diferente da realidade virtual vista nos filmes. A qualidade da imagem era do nível de um DVD antigo, os gráficos eram como uma animação computadorizada desajeitada, os controles eram estranhos, a tração de movimento não era natural e o óculos ficava pesado e molhado de suor, embaraçando cabelos e maquiagem. Acima de tudo, havia pouca consideração pela pessoa que usava os óculos. Os pioneiros colocaram toda a culpa nos dispositivos para evitar que os investidores pulassem fora. 

Depois disso, drasticamente menos pessoas têm falado sobre o que é exatamente o Oásis, o que se pode fazer nele e como vai ser diferente da experiência atual na internet. Ao invés disso, o foco mudou para quais novos dispositivos estão sendo lançados, quão avançados eles são e quem os fez. Enquanto isso, a Magic Leap falhou, a Samsung declarou que não vai fazer mais dispositivos de RV e a Google oficialmente encerrou seu serviço de RV Daydream, que podia ser visto através da conexão com um smartphone. 

Em outubro de 2020, o “dispositivo completo” ainda não havia sido lançado. Entretanto, a Oculus lançou o Oculus Quest 2, que melhorou a performance dos dispositivos existentes, a Microsoft inaugurou Hololens 2 e Nreal, HTC, HP, Valve, etc também estão vendendo dispositivos novos. No entanto, um dispositivo que é confortável horas por semana (24/7) como um smartphone ainda está por vir. Alguns dizem: “A Apple ainda vai lançar O DISPOSITIVO”, mas ainda é incerto. Será que esses fatos nos levam a conclusão de que não seremos capazes de saber o que o Oásis é? Será que o Oásis é apenas uma miragem? 

 

Metaverso? Outro Oásis

 

No ano em que o filme Jogador nº 1 foi lançado, a Epic Games lançou o jogo online Fortnite. Na Coreia, foi tratado como um sub-jogo de Battleground, sendo lançado mais ou menos no mesmo período, mas logo o interesse foi se perdendo por lá. Entretanto, Fortnite iniciou um novo recorde de vendas anuais na história dos jogos no primeiro ano de lançamento e se tornou um mega-hit com 350 milhões de pessoas jogando-o globalmente. Fortnite foi especialmente popular com adolescentes e então começou a ser usado como um canal de marketing para produtos direcionados a eles. Por exemplo, a Disney ativamente usou o jogo do Fortnite durante o lançamento de Avengers: Endgame e Star Wars: The Rise of Skywalker. Até lá, Fortnite assemelhou-se a um serviço que não tinha nada a ver com o Oásis. Era um jogo online comum que não tinha suporte para dispositivos RE de maneira alguma. 

No entanto, o analista de entretenimento de mídia e investidor Matthew Ball escreveu um artigo atraente que focou no potencial do Fortnite como um metaverso em janeiro deste ano [2021]. Metaverso é um conceito primeiramente usado no romance de ficção científica Snow Crash, publicado em 1992, referindo-se ao “espaço virtual tridimensional onde as atividades sociais/econômicas ocorrem como no mundo real”. Matthew Ball trouxe o conceito porque, Donald Mustard, o diretor criativo da Epic Games, disse em uma cerimônia de premiação de jogos que seu objetivo era “criar um metaverso com o Fortnite.” Mustard queria envolver Fortnite em um espaço onde várias atividades sociais/econômicas poderiam ocorrer, ao invés de limitá-lo a um parque infantil onde batalhas acontecem. 

A declaração tornou-se uma realidade em poucos meses, assim como a apresentação digital de Travis Scott foi lançada no Fortnite em abril. Um personagem gigante do cantor desceu do céu e o interpretou por mais ou menos dez minutos e todas as lutas do Fortnite pararam. 12,3 milhões de pessoas assistiram a esse evento em tempo real e a música lançada se tornou o single número um nas paradas do Billboards daquela semana. O evento no jogo teve grande influência no mundo real. Encorajada por isso, a Epic Games lançou oficialmente o Party Royale dentro do Fortnite um mês depois. O Party Royale é um modo designado para reunir usuários para assistir a filmes, apresentações, ou fazer uma festa juntos. 

Após o lançamento, o Fortnite realizou eventos festivos, com a participação de DJ’s, incluindo Steve Aoki; um evento de estreia mundial do trailer do novo filme de Christopher Nolan, Tenet; uma exibição do filme Inception, na Coreia, também do mesmo diretor e o evento de lançamento do Dynamite Music Video (choreography version) do BTS. É difícil saber se o principal cliente da Party Royale é o usuário existente do Fortnite ou o usuário que instalou o Fortnite recentemente para assistir a apresentações ou eventos ao vivo. Entretanto, se a Epic Games levar a sério a possibilidade de os usuários se envolverem em várias atividades além de jogos em seu espaço e se essas atividades ainda afetassem o mundo físico, existiria algum motivo para não nos referirmos ao Fortnite como o Oásis?

De fato, o Oásis também começou como um jogo online. 

 

 

O romance Jogador nº 1 explica o Oásis como no excerto a seguir:

“O Oásis, um jogo multijogador massivo online que gradualmente evoluiu para uma rede global de realidade virtual que a maior parte da humanidade usaria diariamente… Muitos dos usuários de Oásis não se importam com o nível de poder do seu avatar ou sequer se incomodam com o aspecto da simulação do jogo de modo geral.”

O reconhecimento de que o Oásis no romance e o metaverso na realidade não são diferentes dá um senso de realidade ao Oásis, que antes havia sido descartado como um futuro distante. O Oásis não é um killer app [aplicativo que resolve todos os seus problemas, que mata dois coelhos com uma cajadada só] desconhecido que pode ser identificado somente após o lançamento da RE de última geração, mas um estado no qual um jogo online existente evolui para uma plataforma online onde ocorrem diversas atividades. O dispositivo de RE não é um pré-requisito para esta tendência. 

Nos últimos seis meses, muita coisa aconteceu nos serviços de jogos online. Para celebrar o Dia das Crianças, a Blue House convidou crianças para uma versão virtual dela construída no Minecraft e deixou uma mensagem do presidente. O cantor John Legend apresentou Wave como uma animação em 3D em um serviço de concerto virtual de RE para a primeira mostra de seu álbum recém-lançado. Ele se apresentou ao vivo usando um traje de captura de movimento e os fãs assistiram seu avatar animado no YouTube Live. A banda The Weeknd também apresentou Wave como uma animação e o TikTok transmitiu a apresentação ao vivo. As ícones do KPOP, Blackpink, realizaram um evento virtual de assinaturas para fãs também em formato de animações. Todos esses eventos aconteceram sem a necessidade de um dispositivo de RE avançado. 

À medida que as pessoas percebem que muitas coisas podem ser feitas dentro do espaço do jogo, serviços que se assemelham a jogos online mas com finalidades primárias que não sejam jogar apareceram. Como um museu de arte visual e um centro de convenções, o MOR (Museum of Other Realities [Museu de Outras Realidades] apoiou a realização do Mercado Cinematográfico de Cannes este ano no espaço virtual. No MOR, as pessoas assistiram às apresentações dos participantes e realizaram reuniões de negócios. O Festival de Filmes de Venice mudou seus eventos para um espaço virtual usando Viveport e VRChart operado pelo HTC; e Burning Man usou ativamente AltspaceVR, propriedade da Microsoft. À medida que o outono se aproximava, conferências virtuais, exibições e festivais usando jogos online ou serviços 3D similares estão começando a aparecer quase toda semana ao redor do mundo.

Eventos globais que são diretamente afetados por contato pessoal ou em grupo, graças ao COVID-19, foram os primeiros que tiveram que se adaptar aos modelos online, mas essa experiência vai permitir que as pessoas utilizem um jogo online ou um serviço similar de formas mais diversas. Usuários comprando e vendendo mercadorias, criando produtos ou conteúdos por conta própria, administrando uma empresa em um espaço virtual enquanto múltiplas pessoas se conectam de maneira remota já começou a se tornar uma realidade. Além disso, assistem a filmes, a transmissão de esportes, concertos, realizam festas, reuniões de negócios e conferências acadêmicas. Aulas da escola, meditação e atividades religiosas no espaço virtual são descritas no romance Jogador nº 1 como o cotidiano em 2044 e já começaram a se tornar parte de nossas vidas em 2020. Apesar de não ser onipresente, o Oásis definitivamente se tornou atual. 

 

O início da competição rumo ao Oásis

 

Costumava-se dizer que saberiam o que era o Oásis apenas depois da invenção do dispositivo de RE, mas na verdade o Oásis já existe no mundo real. É óbvio que um dispositivo melhor com uma comunicação mais rápida, gráficos melhores e unidade de processamento de dados será eventualmente lançado, permitindo que mais pessoas usem no futuro. Então talvez este seja o momento de mergulhar fundo no Oásis. O filme Jogador nº 1 realça os aspectos do jogo online do Oásis, mas o romance ilustra como ele atraiu as pessoas ao redor do mundo e se tornou a maior plataforma global, além disso, também especifica quais atividades podem ser feitas dentro do Oásis. 

Nas séries que estão por vir, iremos olhar mais de perto na descrição do Oásis no romance Jogador nº 1 e pegar dicas de como o Oásis irá se desenvolver na nossa realidade, quais serviços irão determinar o sucesso ou o fracasso, qual dos serviços existentes é mais provável que assuma a liderança e quais elementos um recém-chegado ao mercado deveria ter. 

 

Ficha catalográfica da tradução do inglês

 

Ep01. The OASIS, and the Metaverse

Written by Sooyoung Choe

Original article: ixi (Ocr 24, 2020)

Translator: Sohee Kim

Copyeditor: Alex Broadwell

Cover: Mina Hyeon

 

REFERÊNCIAS

 

CHOE, Sooyoung. A Step Toward Oasis: A Mirage. XR Must. Translation Sohee Kim, Copyeditor Alex Broadwell, 15 Sept. 2021. Available in: <https://www.xrmust.com/xrmagazine/step-toward-oasis-1/>. Acess 14 Jan. 2022.